barco, Conhecimento Náutico

Como se proteger dos raios

As chances de sofrer uma descarga elétrica a bordo são muito remotas, mas é preciso tomar alguns cuidados ao ser surpreendido por uma tempestade com raios

Por Marcio Dottori

  Na madrugada da última terça-feira, 30 de março, dois homens a bordo de um bote de fibra de vidro de cerca de 6 m de comprimento foram atingidos por um raio nas imediações da Ilha das Couves, em Ubatuba, no litoral norte paulista. O que pilotava o barco teve morte instantânea. O outro sobreviveu. Talvez o piloto continuasse vivo se não estivesse com a mão no manete do motor de popa durante aquela tempestade de raios.

  O Brasil é o país com a maior incidência de raios do mundo. Todos os anos, ocorrem no nosso território cerca de 77,8 milhões de descargas elétricas da atmosfera, segundo o ELAT – Grupo de Eletricidade Atmosférica do INPE – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Isso significa uma média de cinco raios caindo do céu a cada dois segundos — nota: se a descarga elétrica cai em terra, chama-se raio; se ocorre entre as nuvens, o nome é relâmpago. E esse número tende a subir, devido ao aumento da ocupação urbana e do desmatamento.

  O INPE estima que, anualmente, mais de 300 pessoas são atingidas por raios no Brasil, sendo que um terço delas acaba morrendo. Também de acordo com esse instituto, a chance de sermos atingidos por um raio é uma em um milhão. Porém, se formos envolvidos por uma tempestade com raios, essa probabilidade é de um para mil!

  Embora com menos estragos que em terra, raios também caem na água, podendo causar enormes prejuízos e até morte em barcos, como se viu em Ubatuba. Confira, a seguir, como se precaver em uma eventual tempestade com raios quando estiver navegando.

O que fazer para diminuir a possibilidade de ser atingido por um raio a bordo:

  • Se houver alguma pessoa na água, precisa subir para o barco imediatamente;
  • No barco, todos devem permanecer na cabine;
  • Se o barco não tiver cabine, as pessoas devem ficar abaixadas, afastadas entre si, longe do motor ou de qualquer objeto metálico e com os pés afastados da água do porão;
  • Não tocar em nenhuma superfície metálica;
  • Não usar celular;
  • Não usar equipamentos eletrônicos, principalmente o rádio VHF ou HF, já que a descarga pode vir pela antena destes equipamentos. Dependendo da descarga, o valor da corrente elétrica pode ser equivalente a 6 mil vezes a intensidade do choque em um chuveiro!

Fonte: Minuto Náutico

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seis + seis =